Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Conversas, Café & Sorrisos

Atreve-te a ser tu mesmo todos os dias!

Atreve-te a ser tu mesmo todos os dias!

Conversas, Café & Sorrisos

10
Fev16

Uma paixão chamada livros 8/40


Ana Rita 🌼

Este foi o livro que mais me comoveu.

Primeiro por ser uma história real de pessoas reais.

Segundo pelo relato sentido de Zana.

 

 

Filhas de pai iemenita e mãe britânica, Zana e Nadia viviam em Inglaterra. Um dia, após o início daquilo que pensavam ser umas férias de sonho, viram-se casadas à força numa aldeia perdida do Iémen, onde vieram a sofrer toda a casta de violências e humilhações. Após oito anos de luta, Zana conseguiu fugir. Mas Nadia, a sua filha e um sobrinho continuam ainda prisioneiros... Zana e a mãe juraram a si próprias fazê-los sair do Iémen. E Zana descreve neste livro a sua história e o combate que tem travado em prol da libertação da irmã. Vendidas! é um documento de excepcional importância sobre uma das práticas mais aberrantes do mundo contemporâneo. A sua leitura, muitas vezes chocante, permite descobrir a realidade que se oculta por detrás da fachada pretensamente civilizada de alguns países e de algumas culturas.

 

Este livro é o primeiro de três que relatam a história das duas irmãs reféns dos seus casamentos arranjados. Em qualquer um dos três fiquei devastada ao conhecer os meandros da cultura iemenita.

 

10
Fev16

Porque hoje já ninguém se lembra de ontem


Ana Rita 🌼

Hoje a vida voltou ao normal ... UAU

  • Transportes a funcionar em horário semanal
  • Transito
  • O regresso dos míudos ás aulas
  • A vida some e segue

Já ninguém se lembra que ontem o Estado e as PPP estiveram de "feriado" que quem foi trabalhar e precisou de se deslocar para o trabalho de transportes teve que se sujeitar aos "horários de dom/fer" apesar de para a grande maioria dos trabalhadores do setor privado ser um dia normal.

Já ninguém se lembra da discrepancia social que existe entre setor público e setor privado.

Neste caso uns são filhos da mãe outros são filhos da **** 

Em fim, pobrete mas alegrete como bem dizia o ditado.

Desculpem-me se firo algumas suscetibilidades mas, como trabalhadora do setor privado, NÃO CONCORDO.

Se somos todos contribuintes, as regalias devem ser para todos e não apenas para alguns.

 

Mafalda Desigualdades.jpg