Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Conversas, Café & Sorrisos

Atreve-te a ser tu mesmo todos os dias!

Atreve-te a ser tu mesmo todos os dias!

Conversas, Café & Sorrisos

08
Nov16

Coisas que me acontecem...e odeio!!


Ana Rita 🌼

Sou uma pessoa distraída por natureza e há coisas que me acontecem (mais vezes que as que gostava) e que não consigo evitar.

 

- Estar a tomar uma banhoca quente (sobretudo de inverno) e de repente, puffff acabou-se o gás

- Apagar as luzes todas e ir em direcção à cama e dar uma traulitada com um joelho ou com o pé num dos pés da cama F#"$/()O=?

- Sair de casa "a horas" e chegar ao trabalho atrasada

- Sair de casa, primeira paragem café. Ao mexer o dito cujo pufffff...uma nódoa na camisola e no chance de voltar atrás.

- Fazer um risco MARAVILHOSO no olho esquerdo e quando vou fazer o do direito... fica tudo esborratado 

- Sair de casa com um lindo dia de sol ...logo sapatos abertos e quando me dou conta está a chover a potes e molho os pés todos

 

18353630_7aaki.jpeg

 

E vocês digam-me lá o que é que mais vos irrita?

 

 

02
Nov16

The Help - as serviçais


Ana Rita 🌼

TheHelp_zps9553d62a.jpg

 Ontem a minha sessão de cinema Hollyood foi ao encontro d' As serviçais.

Mississípi, EUA, década de 60. Acabada de terminar a faculdade, Skeeter (Emma Stone) decide ir contra as convenções e seguir o seu sonho em se tornar escritora. Quando, de regresso à sua cidade, se apercebe da súbita ausência de Constantine (Cicely Tyson), a governanta negra que a criou, pede ajuda a Aibileen (Viola Davis) e a Minny (Octavia Spencer), ambas governantas e amigas de Constantine. É desta maneira que, quase por acaso, nasce entre as três uma cumplicidade que resultará num projecto absolutamente inédito e que irá abalar, para sempre, aquela sociedade minada de preconceitos: um livro onde são contadas, na primeira pessoa, as histórias de mulheres que, apesar de criarem as crianças das famílias brancas como se fossem suas, são ostracizadas devido à cor da sua pele.

Este livro/filme leva-nos até à América dos anos 60 onde as empregadas negras tinham um papel importantíssimo na educação, crescimento e desenvolvimentos das crianças da alta sociedade.

Apesar da importância destas "serviçais" estas eram consideradas uma raça menor e não só eram mal pagas como sofriam todo o tipo de injustiças e racismo - o facto de ter sido aprovada a "casa de banho das negras" pois consideravam que o facto de elas frequentarem as casas de banho de casa poderiam transmitir doenças dos negros era apenas a ponta do iceberg.

Quando uma negra decide quebrar a barreira do medo e contar a sua história numa perspectiva nua e crua da realidade das "serviçais" sendo assim a inspiração para as outras que depois a seguem e contam as suas histórias e peripécias.

Eu sorri, eu ri ás gargalhadas, eu chorei...portanto é um filme carregado de emoções e com uma mensagem muito forte sobre o racismo.

 

 

Pág. 2/2